Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Meninas

O rosa, imposto desde o berço, 
simbolizaria o culto da aparência no lugar 
da inteligência..
A MONOCROMIA impera nas roupas 
e nos brinquedos das meninas. 
Basta observar em parques, praias, shoppings, escolas: o cor-de-rosa reina no universo infantil feminino.
O rosa não é só a cor das Barbies, 
mas também de vestidos, camisetas, biquínis, mochilas, sapatos, pulseiras, bicicletas, cadernos, lençóis, fantasias de princesa etc.
Enquanto as meninas estão de rosa da cabeça aos pés, os meninos vestem azul, verde, amarelo, vermelho, preto, cinza, laranja, branco e, até, algumas vezes, rosa.
Eles não são apenas mais livres no uso de cores, 
mas correm, brincam, gritam, jogam, se sujam e se machucam 
muito mais do que elas.
No comércio há uma invasão, nunca vista 
anteriormente, de produtos cor-de-rosa. 
Muitas mães afirmam que há uma ditadura do rosa, 
que as filhas acabam ficando viciadas nessa cor. 
Não há escolha para as que gostariam 
de mais diversidade.
Mães inglesas declararam guerra ao que chamam de "pinkification" das meninas: 
a onipresença da cor rosa.
Elas acreditam que o fenômeno vai muito além da cor.
Dizem que a cultura do rosa, imposta às meninas 
desde o berço, é baseada no culto da beleza, do corpo, da aparência, da magreza, em detrimento da inteligência.
Apesar de parecer inofensivo, dizem, o rosa simboliza a cultura da celebridade, fama, riqueza e da obsessão pela imagem, que aprisiona e limita as aspirações das meninas sobre o que podem ser e realizar quando se tornarem mulheres.
O rosa, para elas, representa um retrocesso, 
o retorno de um modelo feminino que parecia 
ter sido abolido 
nos anos 1970 pelas mulheres 
que desejavam ser livres, independentes, fortes, 
poderosas, sexualmente ativas e donas do próprio corpo.
A comparação entre as cores e as brincadeiras de meninos e meninas sugere que faltará a elas, quando adultas, algo fundamental: liberdade.
Liberdade que, na minha pesquisa com cariocas das classes médias, elas afirmam invejar nos homens. Já eles dizem não invejar absolutamente nada nas mulheres.
Se a roupa fala da nossa cultura, o que o rosa diz sobre as futuras mulheres? 
Estaria falando de uma cultura que associa mulher a delicadeza, doçura, sensibilidade, inocência, fragilidade, fraqueza, passividade, inferioridade, submissão? 
De mulheres infantis e dependentes, que precisam da proteção de príncipes? 
Da dominação que transforma garotas superpoderosas em princesas cor-de-rosa?
Cores assim se gostam, podem viver contente,
Digo um puco daquilo que a gente sente. 
A natureza é mistério,
a beleza de uma flor assim, 
um mistério..