Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

quarta-feira, 1 de junho de 2016

RAIN'S DAY


JOAÇABA RAIN'S DAY, upload feito originalmente por *...REBEL..*.
Mas lindos dias, 
jogam 
alguém pra cima..
emocionalmente 
falando, 
dias muito menos...
claros,
nossa mente 
fica embotada..
dias chuvosos 
e escuros..
mais...
Mas tem 
algo profundo....
vem 
com esta ausência,
de cores, 
Is Dark..
que impedem 
de viver 
contente,
a beleza 
da vida 
se afeta
nos olhares...
nos sentimentos
nos meandros 
escurecidos 
da vida..
Desde o começo, 
Freud via 
as mulheres
mais associadas 
à loucura...
Os livros 
por estatísticas 
mostram  
que há mais  
doenças mentais, 
entre mulheres.
Mas será que 

as mulheres são..
Melancólicas
e depressivas.
O  pai da psicanálise 

foi influenciado 
pelas mulheres.
As mulheres
DESDE FREUD OU ANTES,
tinham uma associação 
à loucura, histeria
e eram as mulheres 
mais propensas..
então há também 
uma rotulação 
por parte 
dos homens.
Até o século 20, 

elas 
não eram nem 
donas 
dos próprios direitos:
eram submissas 
a seus pais e maridos.
Se elas eram julgadas 
como loucas pelos 
homens ao redor,
então 
era mais provável 
que os psiquiatras 
confirmassem 
esse diagnóstico.
Mulheres sempre 

foram consideradas 
mais próximas 
do emocional, 
do irracional.
E mais confinadas 
e tolhidas, 
obrigadas a agir 
de forma socialmente mais aceitável...
ou reprimidas...
A doença mental surge por isso...
APARECE como uma forma de rebeldia...
Se as mulheres viviam confinadas  e não se encaixavam nas convenções sociais 

e não sabiam como resolver os conflitos...
por submissão e marginalização social. 
Elas sempre foram contra a imposição 
social de cuidar de um pai..
ou de um pai doente ou de fazer 
sexo com quem não querem.
Com o tempo a presença de 

mulheres na área psiquiátrica melhorou muita 
coisa pelo menos, elas passaram a entender melhor as pacientes do que os homens.
Mas houve um lado perverso, 
elas ganharam mais poder 
para rotular e criar categorias 
psiquiátricas a partir de suas 
experiências...como mulheres.
As mulheres tendem 

a buscar ajuda médica 
para solucionar os problemas,
enquanto os homens 
vão procurar soluções na violência, 
na bebida e nas drogas.
Mas, à medida que a depressão 
passou a fazer mais parte da nossa cultura, os homens ficaram mais dispostos 
a procurar ajuda.
Depressão é hoje a condição mais 

diagnosticada.
É porque vivemos em uma época 
em que todos têm expectativa de felicidade, 
muitas vezes compreendida em termos farmacológicos como uma " exigência e necessidade.
Eu vi algo.... 
uma mulher vaga pelo 
quarto abraçando sombras..
um filme não deixa de ser 
uma exemplo deste jeito 
que abordo o tema neste ´post" do jeito de muitos 
de nós homens, temos, 
visto as mulheres 
e uma mistura de afetos, 
tristezas. mostrando alguém 
atormentada, 
mesmo com uma  beleza, 
a forma perfeita do corpo,  
e um tédio incurável...
com fosse talvez 
a atriz Marilyn Monroe.. 
Alguém que sofre por 
não poder amar, algo como 
odioso e um dos horrores, 
causados pela submissão 
da vontade da família que 
justifica sua loucura.
Ele volta  contra o meio 

que vive..por esta imposição...
e enlouquece, 
adoece, é internada. 
Põe-se a falar sozinha, 
definha sob a opressão da paixão e da saudade....incurável
Hoje  a venda em massa 

dos antidepressivos facilitou aos psiquiatras 
"curar" essa necessidade 
contemporânea de estarmos "up".
Mas  o conhecimento médico 
mudou a forma 
como nós mesmos 
nos compreendemos.
O entendimento que temos 
de nossas mentes e emoções 
foi "colonizado" 
pelo conhecimento médico.
Cada vez mais compreendemos

nós mesmos em termos 
dos médicos e cada vez 
mais sofremos das 
doenças por eles  designados.
Vamos pegar 
uma personagem: 
Anna Kariênina, 
de Tolstói, 
por exemplo.
Ela é triste, 
mas não tem uma categoria 
diagnostica ligada 
a essa tristeza.
Hoje diríamos 
dela portadora de depressão.