Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

terça-feira, 7 de julho de 2015

O meu mundo aqui em Iomerê.


E as quadrilhas na festa de São João..
era o meu mundo e de muitos outros,
no pátio da igreja,
Bem vou repetir o que 
escreveu no facebook,
em Junho de 2014 a Clarice Mariani​...
Mencionar que as festas de São João, 
antigamente era montadas a fogueira 
no centro da praça,dançávamos,
o pau de fita ao lado, 
e as barraquinhas ficavam ao redor da fogueira.
Tempos depois vieram a quadrilha ensaiada no pavilhão 
da Igreja, 
pessoas 
do 
Nininho Zardo, Chico Mendes, a Ines Rech, 
a turma toda dos Rebellatos,
a turma dos Pasqual, Picolli ,
nos, as meninas do Candiago,
sem contar da empolgação sempre presente 
da Lurdinha e Tide Colissi ,Valter Hentz...
e um bando de gente,foram varias épocas, 
tenho algumas fotos memoráveis..da Clarice..

Na foto acima Álvaro Maurina, numa festa Junina.
Agora sigo eu..

Diante de algo real, nas foto de Iomerê,
Em suas noites de festas Juninas...do passado,
e noites de festas hoje são.. 
as cores juninas ou julinas,
ontem e hoje,
Mas no pátio da igreja, surgiam 
e surgem como miragem na mente,
na paisagem entre balões 
coloridos de cada barraca de doces
ou de quentão e ao mesmo tempo a fogueira,
de lenha, fogos em céus frios invernais e que brilham
e se desmancham no ar... a quadrilha tudo em
Iomerê e suas singelas festas...
Era uma marca que trazia no pé..
queimei ao passar sobre brasas descalço,
acho que foi falta fé no fim da passagem,
todos que tentam uns sem sucesso..
vi tudo isso ao longo da vida,
parece ontem,,
Agora em Julho tem e vamos...
Iomerê sempre terá
e que tem essas paisagens reais e imaginárias..
escolho um dos assuntos reais..
é desta festa linda em Iomerê.
O pátio da igreja, parece uma 

paisagem imaginária
ao fundo a fogueira..

os vestidos coloridos parecidos 
e não idêntico.
Esse é um tempo legal..marcante também..
vem essas festas das décadas de 1950 e 1960...todos com suas famílias....agora 2015.
"Aqui tudo concorre com a cor", de caipira do fogo...
nos traços não disfarçados, eles aparecem com força nas pessoas...
nas barracas estão em todas paisagens da festa e todos vem para se aproximarem belas figuras comendo pinhão e quentão..e música de São João..claro e a quadrilha.
Não é exagero, aliás, enxergo ainda em que a terra de chão batido, no pátio, parece se fundir com o céu colorido dos fogos..
como pôde alguém ver de perto,
de lá longe lá nas décadas em que vivi estas festas em Iomerê.
Lembro perto da meia noite..tudo parecia flutuar..ou fora de foco, as montanhas longe era muito quentão..vestido de caipira..
e ainda vejo quando
o horizonte se perdia na neblina
e no frio de inverno de junho e igreja virava um pano de fundo..com os morros de Iomerê....
Nesse sentido, há algo de divino, ou ao menos na fantástica a alegria de Iomerê suas festas juninas, e hoje Julina, suas explosões de cor, como que flertando ali com o surrealismo, colorações vibrantes, beirando cores dos anos 60.
Claro escrevo algo que retrata uma Vila uma cidade que fica alegre desde de meus tempos no chão batido da fogueira era ainda na praça.
Cá e lá entre amigos, sempre lembrados..
Que um de nossos mais importantes dias que agora acontecem em Julho...tudo diz muito além, mas real do que entendemos por uma cidade em festa.Algumas verdades históricas minhas lembradas.
O meu mundo estava aqui em 1964, 

quando houve a revolução militar, presenciamos 
a passagem de um comboio soldados do exercito brasileiro de passagem por aqui.
Foi aqui que estudei...no Frei Evaristo.
Foi daqui que sai pra estudar em Curitiba..
Deixei...naquele tempo...
em 1972 a lembranças de tudo que existiu aqui...
Raia Reta na Hípica Iomerê,
de corrida de cavalos,
o futebol do Atlético de Iomerê,
do Coral,
o Seminário,
do Colégio Frei Evaristo,
dos Padres Camilianos, das Freiras
do Juvenato Santa Marcelina
a igreja Matriz de São Luiz,
Bar do Barulho,
Hotel do Comelli
Posto do Italiano
O vinho Cometa
A festa de São camilo
A banda Santa Cecília
do Pe Demartini
Havia as coisas lindas, 
que continuam algumas
muito mais que lindas,
ficam sempre na mente.