Rebel: Imagens, palavras...a essência... a natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

segunda-feira, 23 de abril de 2018

A Amante de Freud.

Todos somos, 
sensíveis..
e em
momentos,
de certo modo, 
insensíveis.
Freud não era exceção.
A sensibilidade 
é clara em suas obras..
Entretanto,
muitas de suas atitudes
assombraram...
O sensível e
o insensível,
conviviam na 
mente do
pai da psicanálise.
Romance retrata a 
cunhada 
que teria 
sido a amante de 
Sigmund Freud.
Refere-se 
a irmã de Marta,
Minna, 
morta em campo 
de concentração.
Minna Bernays 
(1865-1941),   
era a cunhada, 
seu vínculo 
com Freud tem
informações 
restritas e
poucas fotos, 
cartas 
e relatos 
de Martin,
filho do psicanalista, 
na biografia,
"Freud: 
Man and the Father".
Minna, era uma
mulher bonita e culta, 
e que Freud definia,
sua "maior confidente". 
Jovem, foi morar 
com a irmã Martha
e o cunhado e seus 
seis filhos. 
Viveu por 40 anos em Viena, 
com a família.
Os rumores de 
que Minna tinha 
em Freud, 
um amante..
vem 1957, 
de Carl Jung (1875-1961) 
que 
revelou que, 
50 anos antes, 
Minna lhe falara 
da culpa que sentia,
em ser amante 
do marido 
da irmã.
Depois...
em 2006,
um registro de hotel 
na Suíça,
os cunhados 
aparecem 
como hospedes,
"Freud e mulher".
O romance 
"A Amante de Freud", 
de Karen Mack 
e Jennifer Kaufman, 
pega nesta história 
de amor
e da sofrida Minna. 
As autoras,
andam no caminho da ideia,
e como influenciou a obra de Freud.
"Saber que Freud
era amante da cunhada,
muda o modo como 
vemos o que escreveu,
incluindo sobre 
a culpa 
como o preço que 
pagamos pela 
civilização" 
diz a autora..
Há outros estudos 
sobre Freud, que relatam
que seu caso com Minna 
não seria tão relevante assim.
"Há quem diga que Freud 
cometia incesto similar 
ao de sua teoria 
do complexo de Édipo, 
mas é diferente 
ter relação com 
os pais 
e a cunhada. 
Dizer que isso 
revoluciona a psicanálise é exagero. 
No máximo, Freud 
não é a "figura imaculada 
que imagina ou se pensava."
"A Amante de Freud" 
teve recepção 
morna da crítica 
internacional, 
diferentemente de 
"A Irmã de Freud",
o romance de 
Goce Smilevski, de 2010,
em que  Freud diz de alguém,
como "a mais doce" 
de suas cinco irmãs.
"Enquanto as outras irmãs 
formaram e tiveram 
suas famílias, ela Minna,
ficou sozinha. 
O silêncio sobre ela era tão grande que o romance não poderia existir em outra voz", 
diz a autora de... 
A Amante de Freud.
Poucas pistas vieram 
da biografia de Freud 
assinada por Martin. 
No texto, o filho do psicanalista mostra que a tia 
era rejeitada pela família. 
Mas sabe-se que  no livro 
A Irmã de Freud",
Smilevskia coloca relembrando 
a relação com o irmão 
e questionando suas teorias.
Mas o que chamou 
a atenção foi o ponto 
de partida do livro: 
o momento, em 1938, 
em que Freud foge da Viena ocupada por nazistas, 
levando até o cachorro, 
mas deixando para trás as irmãs,
quatro das cinco morreriam 
em campos de concentração.
"As razões pelas quais ele as excluiu 
da lista de nomes que poderia ajudar a sair 
de Viena são ninguém 
sabe, é um mistério. 
Deixei em aberto",  
diz Smilevski, em
A Irmã de Freud",.
Psicanalistas rejeitam 
a ideia de abandono....
"Ele não tinha poder para levar todas irmãs,
embora tenha 
tentado depois".
O pai da psicanálise 
morreu um ano depois,
dias após o início 
da Segunda Guerra,
sem saber o destino delas.
Quando "A Irmã de Freud" 
saiu na França, 
a psicanalista 
Élisabeth Roudinesco
criticou-o 
por retratar 
um Freud "repulsivo". 
Smilevski diz que 
"todos somos, 
de certo modo, insensíveis". 
Freud não é exceção". 
"A insensibilidade 
é clara em alguns
de seus estudos, 
como o caso Dora."
O caso é considerado 
um fracasso de Freud,
que insistiu em ver 
desejos ocultos na 
rejeição 
da jovem ao assédio 
de um homem mais velho.
A insensibilidade rende as melhores piadas 
com em 
"As Traumáticas Aventuras 
do Filho de Freud", 
que escolheu 
o primogênito Martin como protagonista.
O Freud das tiras 
vê intenções fálicas
nas brincadeiras do filho
"Não tem graça andar por aí 
atirando pênis nas pessoas",
dizia ao menino, 
que brinca de arco
e flecha e dá 
broncas severas 
além da conta,
"Estou pensando seriamente 
em castrá-lo, garoto".
Mas do Filho do Freud..
Martin acho, 
o que muita gente acha...
"Devia ser um saco 
ser filho de Freud". 
que quis fazer humor 
com a teoria, mais 
que com as pessoas.
Retratado sempre de perfil,
com uma expressão 
de mau humor e dando baforadas no charuto, 
nas aventuras 
de Freud
acaba se saindo 
simpático, 
pelas mesmas razões
que soa antipático nos romances.
Talvez ele mesmo Freud, 
só ele  soubesse explicar isso....
mas vida acaba,
como acabou com
Minna Bernays,
..
Nem tudo 
vira poeira...
ou quase  
tudo vira pó...