Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Input.

Mas..absorvemos,
ai as imagens,
que ficam sempre,
na mente..
Na vida,
não se pode só imaginar..
TUDO É A PARTIR DE ALGO...
Pensamentos 
e Emoções, 
afetam as nossas 
experiências sensoriais,
tudo na mente tem 
a ver previamente sentido..
ou anterior.
de algo que absorvemos.
O olhar...
as cores
aquilo que a gente sente...
aquilo que a gente ouve...
aquilo que a gente olha...
Nossas experiências afetam
o que conseguimos visualizar..
Há o olho da mente....cada ponto...
múltiplos pontos
Uma expressão para designar a capacidade 
que o cérebro tem de visualizar imagens 
mesmo na ausência de "input" visual.
Trocando em miúdos,
é a habilidade que temos para 
"ver" coisas dentro da mente.
Apesar de a neurociência descrevê-lo 
em termos quase impenetráveis, 
com referências ao córtex visual
e ao núcleo lateral geniculado,
o olho da mente é uma noção filosoficamente 
 carregada, que enseja interessantes 
polêmicas intelectuais.
Steven Pinker,
NO LIVRO, "How the Mind Works"
(como a mente funciona), uma longa tradição de filósofos empiristas tentou argumentar 
que as imagens geradas pelo olho da mente 
constituíam a base de nossos conceitos 
e até dos significados das palavras que 
constam de nosso dicionário mental.
Em suma, essa visão interior seria 
a essência do pensamento humano.
Para esses pensadores, as imagens mentais 
seriam versões compósitas de diferentes sensações visuais.
Mais do que isso, as diversas experiências 
de cor é que me fazem criar a categoria cor.
Evidentemente, o quadro é bem mais complicado.
Para prová-lo, basta evocar uma ideia abstrata simples, 
como a de triângulo.
Qualquer polígono de três lados é um triângulo.
Mas a imagem de um triângulo precisa necessariamente
ser a de um triângulo isósceles, escaleno ou equilátero.
Qual delas corresponde ao verdadeiro conceito de triângulo....
O idealista radical George Berkeley (1685-1753) 
captou bem o problema, mas em vez de abandonar 
a noção de que ideias abstratas são imagens, preferiu 
concluir que ideias abstratas não existem.
A tese da imagem como guia mestra do pensamento 
era especialmente tentadora para os empiristas, que resumiam 
a teoria do conhecimento no adágio: 
"não há nada no intelecto 
que não tenha passado antes pelos sentidos".
E, se há algo que a moderna neurociência faz com eficácia 
é contestar essa premissa.
PENSAMENTO cientifico HOJE..
hoje está claro,
tudo que sabemos hoje, 
tem a ver 
com pensamentos 
e emoções,
que afetam as nossas experiências 
sensoriais 
do que o contrário.
Photo
Rebel.