Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

O trio de Iomerê.

O tempo longe..

E ainda tem essa aura
da cidade pequena...

No bom sentido, é claro....
No alto..olhando, 

as montanhas, 
na rua João Rech,
vendo a cidade,
do lado o prédio do antigo
Seminário...

do lado da  rua,
o Juvenato Santa Marcelina... 
abaixo a Igreja matriz de São Luiz Gonzaga, 
eis
o trio que sempre se impôs...
o destino do olhar, 
para os habitantes 
ou recém-chegados,
a Iomerê.
Os empreendimentos  novos 
nunca foram dos mais simpáticos,
como a praça nova,
mas é claro que, 
a esta altura, 
não faz sentido 
insistir nas críticas,
à nova praça...
Um projeto, lembro bem, 

desde o início,
pareceu-me especialmente ameaçador. 
Agora já não sei se teria sido melhor,
não vê-la concluída, 
em vez de saber 
do seu abandono...
pelo poder público, 
nestes
novos tempos.
Tratava-se da reforma 

da histórica praça...
que, 
hoje, quando passo em frente a igreja, 
não passa de uma fantasia...
lembrar de uma velha praça, 
que por mais de 50 anos reuniu o povo,
quem a  projetou 
e cuidou todo este tempo.
Nada que pode ser facilmente reconhecido olhando a praça atual como sem alma, 

ou como algo que tenha a ver com a cidade,
por quem quer que tenha passado 
por aquela praça...em todos estes anos.
Quase ao lado da praça...

se impõem novos prédios 
aos recém-chegados a Iomerê.
Nesse sentido,  

a velha arquitetura, 
era mais singela,
que a menos discreta de hoje,
que dá o
entorno da praça.
Bela Iomerê..
Quem vê o grande edifício,
saindo de baixo da avenida 
Pedro Penso,
sabe do que se trata...
mas seu tamanho,
se apresenta com a evidência...
que logo vai tapar 
o olhar de quem quer ver 
a igreja ou a praça de longe.
O pajé, distante, continua formoso, 
ainda mais porque se apresentava 
desde os velhos tempos dos anos 60, 
que eu me lembro,
a grande montanha,
a grande colina, 
como a rainha ou um rei,
em seu trono, ao pôr do sol...
senti vendo o vermelho solar,
colar na montanha, 
admirei muitas vezes,
contemplado o crepúculo, 
nos meses de março
lindo continua...
vizinho de outras colinas, 
era mais formoso com as árvores, 
e continua sendo...
mesmo que parcialmente desmatado.
Já no canto da praça,
a minha frente, 
na avenida, 
se podemos dizer assim, 
o pajé era majestoso em curva...
nunca o imaginei nada parecido 
de algum morro, 
abrindo espaço sempre em planos diferentes...
ao olhar..
é ao mesmo tempo mais  
quanto hoje complexo. 
A vida de pedestre, de andar de pé no chão, na estrada de chão batido, era comum nos anos 60,
a vida de caminhar, na rua,
vendo a montanha distante...como na foto..
as fachadas das casas únicas,
de madeira, em todos os quarteirões.
A casa na foto ao lado do açougue do meu país. 
A pequena construção com a frente de alvenaria 
e  as laterais de madeira,
onde toda família viveu no fim dos anos 60,
até o começo dos anos 70,
todos estas casas
não existem mais, foi uma parte da cidade que acabou... 

mas muito se criou,
como o asfalto na avenida.
Não gosto dos grandes prédios que se espalham por terrenos desiguais,
de modo 
que nem mesmo seja possível 
saber em que andar nos situamos. 
Os térreos de repente 
se revelam em lojas ou bares,
eis que tudo que existe e está mais  feio, ou mais bonito,
mais moderno dizem alguns, 
do que quando passeava  como guri, 
aos 6 ou 10 anos.
É também assim que o tempo passa com mudanças são bem vindas, 

há muitas casas de alvenaria 
de cores ou  branca 
de nossa consciência.
Entro na praça,

sinto que tudo foi mal...
começa por um enorme portal..
espantado com o alto..
do portal, 
deve ser sósia de alguma que existe 
por ai..
ridícula por aqui... agora.

Saio daqui às pressas, desiludido...

Por volta de 2013, 
lembrando-me da noite, 
da véspera, 
em quando fui até ali,
me disseram que a praça ia mudar...
passar por uma remodelação..fiquei triste.
(não sei se no terreno havia sinais 
ou mais de que a destruição que estava por vir),
apresentava um aspecto normal na véspera nenhuma placa nada...
que peça..
Desse  fato emerge agora muita coisa. 
Por exemplo, um processo...
bem ao estilo brasileiro, 
assim é tudo aqui...
Ou um conjunto daquelas 

coisas que ninguém entende, 
uma linda igreja linda voltada para a praça,
com as lâmpadas sempre apagadas a noite...
poderia ter algumas ligadas a noite,
imitando a chama de uma vela, 
cujo destino pareceria ter sido sempre o de parecer um candelabro...
Mais  as luminárias ligada só 
suspensas do teto, 
na igreja em dia de missa, 
que ficam em círculos, 
são como um broche...
lembram vagamente 
os castelos Europeus, 
 que 
se destacam, 
são várias dessas estruturas 
de metal dourado,
ou cobre,
junto ao corredor central... 
da igreja de São Luiz Gonzaga, 
a igreja Matriz de Iomerê.
Corredores ao longo dos quais, 
de quando em quando,  
olhava no caminho 
de receber,
a comunhão, 
olhando para os bancos da esquerda, 
onde ninguém sentava, 
exceto as mulheres solteiras..
que, a partir de agora, todos, 
já tomam posse definitiva, 
da igreja palácio inteira,
que não existe mais... 
descriminação de lados.
Todos esses jeitos de ver Iomerê,

sempre é de tudo.
Mas é precisamente nessa admiração..

que estava a vida de uma cidade como essa. 
Mero visitante eventual, 
eu estava ali, 
como todos os outros, 
rodava em minha mente 
numa espécie de filme 
que me levava ao convívio 
de muitos com que vivi Padres, Freiras, 
Professores, vizinhos
e  muitos habitantes,
de não sei quem.
Eram sonhos, 

muitos dos meus pensamentos 
é claro. 
Mais talvez, do que os de muitos habitantes,
que hoje estão ainda aqui, 
ou outros que se desfizeram de tudo aqui,
e foram embora, vivem em outros lugares,
de  todo modo,  de todos jeitos,
mas aos pedaços, 
em lembranças,
reuni neste texto,
fragmentos da vida, 
de um cidade pequena...chamada Iomerê
e seu trio de ouro.
Juvenato..
Seminário.
e a linda Igreja.