Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Cold Morning.

Por conta da beleza
da paisagem gélida

do ruído 
do vento constante,
neste dia frios,
presentes
no caminho...
mas 
também 
pensar nas relações humanas
e afetivas
que há na região,
que há muito tempo vivo,
pouco povoada 
nos tempos de criança,
mas agora nem tanto,
no sul do país,
vendo o movimento de carros,
de pessoas, 
na manhã
de seus habitantes.. 
que evoca esta reflexão 
Moro num lugar distante..
chamado Videira.
Eu como um cara ou homem maduro
que chega ali num bar
manhã  do ano 2014,
chego ali na manhã
para tentar resgatar algo vivido em
meu passado.
O calor humano dos amigos..
Para isso, é preciso  viver
num pequeno lugar..
Por alguma razão, 
se tem a oportunidade 
descobrir 
com  a câmera  a minha
intenção de mostrar que,
nesse ambiente
em um tempo que havia menos
pessoas 
e a natureza era muito mais imponente,
de como é hoje
e  que as relações ganham
outro sentido e são moldadas
pela solidariedade e pela ideia
de que é preciso
solidificar os afetos para
enfrentar a adversidade da vida.
Nenhum encontro é desperdiçado.
Um diálogo no bar,
com conhecidos e amigos, 
nada deixa de conter 
uma reflexão de grandes dimensões, 
sobre a essência 
das relações da vida.
Assim são também 
os encontros
entre pessoas 
de diferentes idades
ou contextos sociais.
É como se  o momento quisesse
educar-nos para a necessidade
de dar o devido valor ao tempo,
a infância,
que nesses mesmos diálogos 
que surgem na volta ao tempo,
que acontecem 
como uma das circunstâncias da vida.
Nesse sentido, 
a minha lembrança destes 
momentos vai de encontro à tradição,
tomar café,
beber chimarrão,
em que se ouve discussões
e que ocorrem em espaços
pequenos da classe média.
O silêncio e a natureza que
vi na manhã fria
põem o homem diante
de seus sentimentos tudo
fica a flor da pele.
Nem todos aguentam...
ouvir sobre 
quem já morreu,
quem viajou,
quem saiu da cidade,
que está doente...
quem está rico...
Assim, nada mais que
um ponto de algo 
vem a mente  sobre
questões das 
mais fundamentais,
como:
para que vivemos,
e para quem
e para onde tudo...
se leva a vida...
e da vida.