Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

sábado, 13 de fevereiro de 2016

The Rose and Dali


Rosa Meditativa 
é um quadro de Dali 
de 1958.
A Rosa meditativa, 
uma pintura assim, 
é um enigma que vem de 
um pintor cujas obras são 
basicamente imagens de 
sonhos e pesadelos. 
Sem as formas esticadas 
e as muletas significando 
o método paranoíco. 
Em vez disso, 
temos uma imagem bonita. 
Aqui Dali parece estar 
mostrando suas habilidades 
de pintura numa época em que 
muitos artistas famosos,
incluindo o próprio Dali,
estavam pintando de uma 
forma muito mais abstrata. 
Talvez ele estivesse 
se preparando para a exposição..
'Homenagem ao Surrealismo', 
convidado  por seu amigo André Breton,  
para representar a Espanha.
O mais famoso deles é o quadro onde relógios estão derretidos num cenário que se parece com um deserto, chamado “A persistência da memória”, de Salvador Dalí.

Um ótimo sinônimo para a palavra sonho. Relógios derretidos já fazem jus à palavra que dá ao nome ao movimento, porém o quadro não é apenas isso. Cada parte dele possui uma referência à vida de Dalí. Os próprios relógios deformados são uma referência à morte e à impotência sexual. Logo ali, do lado de uma estante com um relógio derretido, abaixo do céu espanhol (a paisagem é inspirada na costa de Barcelona) um rosto cansado, com longos cílios, e um relógio derretido em cima. Como se o fim do tempo tivesse chegado a esta pessoa. Quase imperceptíveis aos olhos menos atentos. Um autorretrato de Dalí escondido, como fazia em alguns quadros. Um exemplo bom disso é o quadro o grande mastubador....( sexo era um tema muito presente em seus quadros), onde uma figura igual aparece, desta vez com mais destaque.
Olhe para 
o canto 
esquerdo e observe as formigas, 
símbolo de decomposição. Outro medo 
de Dalí, às vezes colocado como símbolo de putrefação. 
Freud está mais presente neste quadro que 
apenas uma forma de interpretar o inconsciente de Dalí. 
Para Freud os sonhos são imagens deformadas soltas, mas a mente se encarrega em ali nutrir um cenário para se assemelhar com a nossa realidade quando acordado. O cenário do nada com figuras espalhadas dão esta sensação. Dali pegou seus medos e traumas, os transformou em figuras com deformações e colocou num cenário comum a sua vida. Melhor interpretação da teoria de Freud para sonhos não há.