Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Dali, Freud e Zweig.

Freud,
é o pai da psicanálise,
não há como negar na sua vida
a relação  estreita
e o convívio 
de escritores em pêlo e osso,
ou de suas obras.
De Shakespeare, 
Goethe, 
Schiller, 
Dostoiévski, 
Thomas Mann,
Stefan Zweig.
Salvador Dali, fez três tentativas de 
conhecer Sigmund Freud, ou nem todas em vão. 
Dalí se tornou um freudiano fanático..por meio 
de Sweig.
Stefan Zweig, um escritor, romancista, 
poeta, dramaturgo, jornalista e biógrafo austríaco 
de origem judaica e que  nasceu em 1881, em Viena,
Morreu em 22 de fevereiro de 1942, em Petrópolis..
Um amigo fiel de fato 
Stefan Zweig, 
pode ter influenciado muito Freud, 
com quem esteve na universidade d Viena.
e ter  se despedido, 
Sweig estava   à beira da cova de Freud 
em  sua morte em Londres em 1939, que
mostra o grau pessoal 
da relação.
e entre literatura e psicanálise.
"Trocou correspondência durante toda vida"..
Exato este é Stefan Zweig , que
foi quem apresentou a Freud, biógrafo e músico francês, 
Romain Rollain..
que foi Nobel de Literatura de 1915. 
Romain Rolland foi uma importante 
ajuda a Freud 
 então no livro "O Futuro de uma Ilusão",
este  foi a premissa usada por Freud 
para escrever o livro seguinte 
"O Mal-estar na Civilização".
Se foi Stefan Zweig quem tentou levar 
Salvador Dali 
para conhecê-lo. .. e Freud  entretanto, 
depois da visita de André Breton, (1896, 1966),
*escritor francês, poeta 
e teórico do surrealismo, 
por força de Breton ligado surrealismo,  
Freud resolveu se manifestar com reserva 
e teve  uma certa distâncias em relação 
ao Surrealismo, por  algum tempo 
por consequência de Dali. 
Ai  vem uma pergunta.. se isso tinha a ver 
com os traços de conservadorismo que havia na personalidade de Freud 
e que eram comuns na Viena em que ele se formou..
A. Dines que é autor da biografia  
de  Stefan Zweig,diz...
depois da visita de Dali,   
Freud disse que doravante veria 
o Surrealismo com mais atenção. 
Foi coerente porque o Surrealismo 
é uma manifestação livre do inconsciente. 
Freud de  nada tinha de conservador, sempre foi um revolucionário e pagou por isso. 
Seu espírito agnóstico e anticlerical é anti-conservador. 
Ele viu os erros do comunismo e percebeu 
que o socialismo não resolveria alguns 
dos problemas básicos do inconsciente. 
Além do mais sempre foi um antifascista. 
Acho mais apropriado colocá-lo como um libertário no espectro político e subversivo sob o ponto 
de vista filosófico. 
Viena não era conservadora: 
Otto Weininger, Karl Kraus, Wittgenstein, 
Schnitzler, ou mesmo o utopista Theodor Herzl 
não podem ser classificados 
como conservadores ou reacionários.
Enquanto Zweig e James conversam com Freud, 
Dalí saca o seu caderno de desenho 
e faz, às escondidas, um croqui da cabeça de Freud,
o resultado guarda semelhança tanto com o criador da psicanálise quanto com um caramujo. 
Preocupado com a possibilidade de que o 
desenho chocasse Freud pela estranheza 
de sua aparência na visão de Dalí.
Dali..não era escritor...
mas um pintor revolucionário.
Sonhos de Dali..abaixo



Lucian Freud  
neto de Freud, 
um pintor.