Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

quarta-feira, 1 de março de 2017

Corner

O mundo é 
uma esquina 
onde
tudo acontece
se movimenta, 
se nota
se vê, 
é pequeno
mas
não 
tão pequeno.
...
Nas palavras,
meu modo mostrar o
que vejo
que 

observo e olho
para esta esquina,
o mundo. 
Como
entendo, 
Como 
o
sinto..
Nada mudará
no mundo com
o escrevo
e penso e coloco aqui...
nada mudará.
Não,

não
sonho mudar
o mundo.
..
Que é 
o mesmo
que 
quero
dizer além dos textos, na escrita,
nas fotos,
que só
sei falar 
do que 
vejo
e do 
que
sinto..
...
As palavras
são 
a forma que escolho
de 
descobrir 
os
outros no mundo, 
pessoas e coisas,
porque
só com palavras
podem existir
entrelinhas.
Gosto de
acreditar que
todos 
somos palavras
que escolhemos.
Mas sei que não 
é tudo
assim.
Há palavras 
unicamente 
pensadas
e
há palavras 

unicamente 
vividas.
palavras
desprovidas de 
pensamento
e igualmente palavras 
desprovidas de sentimento.
há palavras que nos silenciam
e outras nos instigam.
Tal como os rostos, 
as palavras
podem serem moldadas, 
compostas
artificiosamente,
mas,
tal como as mãos,
basta 
um momento
de distração e
recuperam 
a sua natural transparência,
contradizendo
o que queremos
ou fazem acreditar.
Escreveu alguém,,
Tudo se nota, 
quando é
escrito...e ai chegamos perto,
e perto todos somos diferentes,
é a intimidade de cada um. 
Escrever 
profundamente
é mostrar
a afeição,

a paixão 
o amor, 
que para
muitos,
é ai

precisamente
aí que começa
o verdadeiro cabo 
das Tormentas.
O mundo é pequeno.
é uma esquina...
ou uma ponta do mar...
como é um cabo.
Prefiro 
pensá-lo 
num 
desenho
abstrato, 
nele 
cada 
um
dá o sentido que
mais desejar,
um pouco...
sua cor.
....
É por
isso que, mais cedo ou mais tarde,
tudo o que fazemos,
de bom
e de mau,
volta para nós.
Pessoas da esquina, do mundo, 
Gostam de nós é inspirar
mais do que expirar...
A profundidade com
que conhecemos
alguém é uma pergunta
a que só o tempo
pode dar resposta.
É que faz com que o "outro"
se entranhe em nós, nos
corra nas veias,
lhe adivinhemos
os pensamentos
e antecipemos
os movimentos.
Até que um dia
se descobre com espanto
a suavidade da pele
por detrás do
joelho ou um pedaço
de pescoço
que o cabelo escondia
e damos por nós a
pensar...
Afinal não sei
ou  nada sei, nada de ti...
você é um mistério.
É essencial
viver
de encantos,
para todos
e outros tantos.
Viver para o
melhor de tudo e
não para o melhor de nada.
Ter o coração por deus e mesmo
que seja sempre adeus,
dizê-lo como
quem começa,
com pressa.
Ter coragem
para toda e qualquer viagem.
Sonhar acordado.
Encontrar e ser encontrado. 
Ir
ao fim do mundo 
e voltar num segundo.
Ter sede mas que
nunca se mata, 
ser lago
e
ser cascata...
ser mansidão,
ser movimento,
ser correnteza,
ser selvagem
Já fiquei com
uma certeza absoluta:
os anjos têm as pontas
dos dedos muito
delicadas!
Em detalhe
Eu aprecio os pequenos detalhes,
a veia que contorna o músculo,
o olhar
demorado de pestanejar lento,
o frio arredondado da ponta
do nariz, o
caracol de cabelo
gentilmente
apoiado na curva da orelha,
a pequena ruga 
na pálpebra que alonga
o sorriso,
o levantar lento
da sobrancelha
pensativa, a
suavidade da pele que fica
na ponta
dos dedos
muito depois do
toque, o virar
da cabeça na distensão
do tendão
do pescoço,
o apoiar do
queixo na palma da
mão...
em algum lugar.
....
É isso 
que
nos
torna 

diferentes
e
únicos.
Continuamos
percebendo
os
movimentos
da esquina...bela
e movimentada