Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

sábado, 14 de janeiro de 2017

Amor e Sexualidade Feliz

Mulheres 
sonhadoras
e
satisfeitas.
só com amor e 
uma boa 
sexualidade, 
Uma mulher 
feliz...
é viver
a onde 
a felicidade está
e ela a felicidade 
existe numa relação e é,
fruto da boa 
convivência
como
uma forma demais 
inteligente de viver 
de fazer escolhas,
na vida amorosa e sexual. 
...
Como
saber se é algo prático 
e mais algo possível sobre a a vida de um casal num viver
com felicidade. 
É só colocar inteligência a funcionar 
serviço 
do afeto mútuo, 
dos interesses 
e das esperanças  
e como projeto de vida...
Dificil para realizá-los. 
Mas é algo imprescindível 
para a felicidade 
e haja dignidade mútua,
que niguém seja dono da relação.
Assunto sério 

e tem lá sua boa e muitas reflexões. 
Uma boa vida a dois 
e uma vida familiar,
é algo sempre desejado, 
que produzem 
alegrias e satisfações, 
mas,  se não for bia pode produzir
dor e sofrimento.
Todas relações sexuais 
e amorosas podem
ser reinventadas... 
em cada casal isso é  algo
maravilhoso,
mas a vida a dois é sempre 
fonte de conflitos e tem lá suas 
dificuldades e as vezes 
enormes dificuldades
O amor tornou-se é sempre 
algo necessário para a felicidade,
mas às vezes inatingível, 
ou quase impossível.
Na vida os impulso que nos movem..
o desejo de bem-estar..
Crescimento de cada 
um como pessoa implica 
numa expansão 
das suas possibilidades vitais..
mas que é algo 
sempre arriscada,
ou algo que 
as pessoas 
resistem ou que 
incômoda, 
mas é renovador e 
inovador.
No amor e no sexo sempre 
queremos nos sentir 
protagonistas, 

paradoxalmente, 
somos,
tranquilos 
e exaltados, 
somos
seguros e intensos, 
somos
ternos e apressados, 
fiéis e livres, 
algo
imanentes e transcendentes.
Contrário da repressão sexual 

esta a liberação sexual
ou 
a sexualidade criadora e feliz,
Uma conversa entre 
os atores da vida amorosa  é 
que que viabiliza a boa realção
algo impossível 
sem um diálogo linear,
amoroso e sexual 
se há o gosto mútuo e não fazem um
monólogo. 
Toda verdadeira conversa 
sempre
dá uma ar de liberdade compartilhada. 
Nunca se deve impor 
rumos ou obrigar 
que o outro a participe,
sem desejo.
Nem...
Um debate,
uma discussão,
acalorada, 
nem uma competição
entre duas pessoas ou dois indivíduos 
que um se acha ou os dois são donos 
da verdade 
ou  seres possessivos demais 
ou proprietários do ser amado.
Um dialogo  não linear

assim é imprevisível, 
cheios de surpresas 
e descaminhos, 
até mesmo uma
conversa erótica. 
Todo monólogo sexual, 
é igual a masturbação 
solitária,
onde se exclui 
o outro amante. 
Todas conversas eróticas 
são estimulantes,
excitantes, 
se  há afinidade 
e serão sempre intermináveis 
e mas há que ter sempre respeito e 
cuidado  de se ouvir e falar.
É a capacidade de compreender 

e provocar mudanças no outro acontece
quando nos
deixamos afetar pelo outro, 
em todos os níveis
o que pode ser resultado final de 
uma conversa erótica, 
A dois a sexualidade feliz,
implica no cuidado um do outrom 
de uma ao outro, 
com dignidade,
e uma boa convivência do casal.
A vida amorosa feliz nunca
é fruto da casualidade. 
O amor é sempre 
é
um componente nas 
tarefas propostas 
a serem cumpridas
para o casal ser feliz. 
Nunca deveriam 
existir monólogos amorosos...
quando se há um 
um bom interlocutor.
é a boa conversa
Uma boa conversa amorosa 

é algo desejado 
em todas as culturas existentes, 
e a sua ausência quando vivida é um
fracasso individual e coletivo.
Sempre nos enganamos  se achamos
que o grande valor de nossos tempos é a liberdade...mas
o grande valor é a autonomia, ou seja, a capacidade de escolher um bom
projeto de vida e realizá-lo.
Numa
relação amorosa, claro,
perde-se em parte a liberdade individual, e se ganha ou pode-se conquistar a autonomia, ao
aumentar as possibilidades vitais 
e criativas de cada um do casal, 
como verdadeiros dos amantes, 
que despertam poderes adormecidos 
ou embrionários 
e constroem 
um novo modo de vida.
Vivemos tempos líquídos
de banalização, 
nas relações amorosas, 
com pessoas superficiais
de pessoas, que só pensam 
no orgasmo obrigatório, 
de pessoas que funcionam 
como indivíduos infantis, 
chatos, preguiçosos, covardes
 e fracassados no amor e no sexo,
Há que ter uma valorização profunda 
e terna da intimidade, 
presente na reciprocidade 
equilibrada entre os amantes, 
o cuidado, 
a admiração,
a valorização 
e o respeito 
um
pelo outro, 
o exercício do amor mútuo.
e deixar tomar e 
ser tomado,
pelo ser amado ao se 
desenvolver uma melhor 
forma e capacidade de amar..
Só assim, é possível 
uma sexualidade feliz