Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Led Zeppelin uma grande banda.....


Ontem vi o Led Zeppelin, 
em video no O2 de Londres, 
em seu primeiro concerto integral desde 1980,
sem John Bonham e o filho dele, 
Jason, como seu substituto natural,
a força antiga em tempos mais graciosos 
foi revivida nas velhas gravações ao vivo. 
"Good Times Bad Times", "Misty Mountain Hop" 
e "Whole Lotta Love" 
foram passeios confiantes e tranqüilos; 
"Dazed and Confused" foi legal. O vocalista da banda, Robert Plant, cantou "Since I've Been Loving You" e "In My Time of Dying".) como nunca. 
Para começo de conversa, 
foi bem ensaiada: o planejamento e os ensaios vinham 
acontecendo desde maio. Em lugar de 
seus guarda-roupas coloridos de tempos passados, 
os integrantes usaram sobretudo preto. 
 Em "Stairway to Heaven", encontrou outras trajetórias melódicas adequadas. Cantou com autoridade e dignidade. Quanto a Jimmy Page, seus solos de guitarra não foram tão frenéticos e articulados quanto eram no passado, mas isso reforçou o fato de que sempre foram secundários em relação aos refrães, que no show foram enormes, fortes e gloriosos. (Mas Page não deixou de usar um arco de violino em seu solo em "Dazed and Confused". O baixo de John Paul Jones ficou um pouco perdido na acústica do 02 Arena assim como Bonham. Quando se sentou para tocar teclado em "Kashmir", "No Quarter" e algumas outras canções, ele simultaneamente operou os pedais do baixo com seus pés, mantendo a mesma batida atrasada. E o que dizer de Jason Bonham, o grande ponto de interrogação naquele que foi -não há como comprovar isso cientificamente, mas aceitemos que foi, sim, 
o reencontro de rock mais ansiosamente aguardado em uma era repleta desses reencontros.. . 
E, excetuando-se alguns momentos pequenos em que acrescentou alguns toques, Jason Bonham se ateve ao som e ao clima do original. As batidas no tambor de corda não tinham exatamente o mesmo timbre, aquele som bárbaro, reverberante. Mas, quando o show adentrou sua segunda hora e alguns dos problemas de som foram sendo corrigidos, o espectador se descobriu deixando de se preocupar com isso. Tudo acabou funcionando. 
O Led Zeppelin já teve semi-reencontros algumas vezes no passado, mas sem muito sucesso: apresentações curtas e problemáticas no Live Aid em 1985 e no concerto do 40º aniversário da Atlantic Records em 1988. 
Mas este foi um concerto de reencontro no qual a banda investiu..legal o show..