Rebel: Imagens, palavras..minha essência... um amigo da natureza

Rebel

LOOKING IN WINDOW


R.E.B.E.L - Most View- - Week- Top Ten

domingo, 1 de novembro de 2015

BRAZIL: Tristes Trópicos.

Tristes Trópicos...
retrata o pensamento, 
de Claude Lévi-Strauss,
não só do Brasil. 
Mas do Brasil. 
Quem profetizou
que o Brasil seria um país 
que passaria da barbárie 
à decadência sem conhecer 
o apogeu. 
O Brasil em crise 
veio 
à mente, 
uma vontade de  reler. 
palavra "estruturalismo" 
vem, 
de Lévi-Strauss..
não vou adiante. 
Mas o 
livro 
Tristes Trópicos
desperta
uma curiosidade,
um 
interesse 
intenso em 
frases,
em
Tristes Trópicos..
que são lindas...
Como:
O mundo começou sem homem 
e terminará sem ele. 
Se Sartre...é bom. 
Este francês,
Claude Lévi-Strauss 
é de uma inteligência 
tão diferente, 
antagônica de Sartre, 
mexe com a gente,
o espírito.
O estilo..
da terra de Proust, 
impressiona, 
parágrafos longos 
cheio
de observações 
educativas, 
algo agradável e elegante.
Mas a visão do Brasil 
de Claude Lévi-Strauss 
que aparece..
ali muito boa.
Tem 
um pessimismo relativo 
à civilização 
brasileira,
num claro instante, 
tornar-se possível 
uma intervenção relevante,
dos nossos destinos no mundo, 
Choca,
como que
alguém
contasse de uma repulsa,
esta maravilhosa beleza do Rio,
seria algo incompreendido aqui, no Brazil.
Mais do que tudo, 
Claude Lévi-Strauss 
é um homem excepcional: 
sempre modesto, 
de tom franco 
e inabalavelmente lúcido. 
Os esboços 
das 
posições originais 
que o 
tornariam mais 
e mais célebre 
aparecem 
com vigor, 
mas sem paixão.
Mas 
faz um sentido tudo, 
em oposição ao ateísmo 
apaixonado de Sartre, 
Há uma misticismo frio.
Lévi-Strauss
Como 
Marx e Freud, 
são vistos 
como visionários, 
como pensadores,
além,
do seu tempo, 
percebiam 
realidades 
inteligíveis, 
porém 
em planos 
escondidos.
"Tristes Trópicos"..
ou 
nem tão triste.
Li, 
mas com
uma natural desconfiança 
Lévi-Strauss detestava 
a promiscuidade 
entre alta cultura 
e cultura popular 
que via sendo praticada 
por seus famosos 
contemporâneos 
mais jovens: 
"pop philosophie", 
pensadores 
citando Bob Dylan 
estudando letras de rock,
Ele diz que 
jamais voltaria 
seu armamento teórico 
para nada abaixo 
de Baudelaire.
O antropólogo 
Claude Lévi-Strauss 
detestou 
a Baía de Guanabara..
pareceu-lhe 
uma boca banguela, 
ele disse, 
meio rindo, 
que tinha escrito 
essas palavras 
havia muito tempo,
E há 
o "amor-mentira" 
que os nhambiquara 
chamam os atos 
homossexuais 
praticados pelos 
jovens da tribo 
de "amor-mentira".
Claude Lévi-Strauss 
cultivava um certo 
amor pelo Brasil, 
a terra onde suas 
descobertas 
inaugurais surgiram, 
onde seu trabalho 
de etnógrafo 
fez possível suas 
investidas teóricas 
e mesmo filosóficas. 
Mas o título do seu livro 
não é tão carregado de ternura 
mas de desprezo 
e desesperança..
Lembro de uma citação: 
Aqui tudo parece que 
é ainda construção 
mas já é ruína.
O Brasil é figura grande 
na geografia de 
"Tristes Trópicos", 
mas está incluído 
numa visão sombria 
que cobre toda a zona tropical 
ao redor do globo.
Ele era uma cara muito 
bacana de judeu bondoso 
mas irônico, 
uma maravilhosa 
cara de quem tem vocação 
para a longevidade..
uma virtude. 
A Era do Brasil,
é....
tão distante e tão próximo,
ao mesmo tempo. 


O livro,
descreve viagens pelo Brasil.
Mas diz:
Odeio as viagens e os exploradores. 
Mas..
Tristes trópicos..
é uma meditação 
sobre o saber dos antropólogos, 
sua estranha densidade 
e sua vã ambição..
Ou...
dum inegável pessimismo ao Brasil,
com amargura 
e belas marcas de causticidade.
Tristes trópicos, não 
envelheceu. 
E o Rousseau, 
nada como fazendo 
jus a um pessimismo,
em relação ao homem..
é mais atual que nunca.
O mundo começou sem homem 
e terminará sem ele.
Esboça bem aí,
suas concepções da História 
e do ser humano.
Nãos sei se é uma atitude niilista.

Claude Lévi-Strauss, é isso,
ou
mais conhecido como o filósofo e antropólogo francês
que andou pelo Brasil 
na década de trinta..
que escreveu Tristes Trópicos, 
um clássico das ciências sociais, 
onde profetizou
que o Brasil seria um país 
que passaria da barbárie 
à decadência sem conhecer 
o apogeu. 
Este é o Lévi-Strauss,
se tinha não razão...
vamos ver. 
Gatos de Aldemir Martins.
Casas de Lasar Segall.
Fotos Rebel.